Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um pássaro sem poiso

Palavras soltas, livres, voando por aí

Um pássaro sem poiso

Palavras soltas, livres, voando por aí

31.03.20

O meu melhor arco-íris


Isa Nascimento

Não tinha pensado em publicar nada hoje, pois a falta de inspiração tem sido frequente, mas deparei-me com o pedido “Mostra-me o teu melhor arco-íris”  da gentil Alice Barcellos e não resisti a responder-lhe…

Em primeiro lugar porque sou apaixonada pelo arco-íris e por todos os valores que representa. Em segundo lugar, mas não menos importante, porque tenho vindo a valorizar cada vez mais a comunicação direta entre bloguistas que nos permite criar uma comunidade fantástica.

Costumo dizer que o que me move verdadeiramente é o “exercício da comunicação”. Um exercício muitas vezes comprometido na vida “de carne e osso” por não haver pessoa alguma próxima que nos entenda e com quem possamos comunicar de forma fluida e espontânea como o fazemos no nosso blogue e entre @s bloguistas que nos acompanham neste mundo virtual. Um mundo intocável no sentido literal da palavra, mas que se transformou num dos pilares do meu bem-estar emocional.

Portanto, minha querida Alice, queria dizer-te que li a tua publicação como se tivesse sido escrita para mim e agradeço-te por isso, respondendo às tuas perguntas:

Na maior parte do tempo estou bem, mas “estes dias estranhos” alimentam a minha mente, acelerando-a ainda mais do que é habitual. Às vezes tenho dificuldade em a acalmar

O meu único medo é que o meu pai contraia a Covid-19 e angustio-me apenas por saber que não podemos visitar a minha mãe, que está num lar. De resto, sei que o mundo vai dar um trambolhão, andará a sarar as feridas durante uns anos e depois a “engrenagem dos interesses económicos globais”, como muito bem referiste, voltará a funcionar em pleno.

Tento não pensar demasiado no futuro.

O que quero fazer quando tudo isto acabar é dar muitos abraços… aos meus filhos, aos meus pais, aos meus irmãos…

Sinto falta do meu abatanado tomado ao fim de semana numa esplanada soalheira.

E sinto especialmente falta da minha mãe, mas de como ela era há mais de 10 anos, antes de ser destruída pela doença. A Covid-19 veio exacerbar esta saudade que “não se mede”…

E como símbolo da esperança que mantenho nutrida, junto o meu “melhor arco-íris”, num dia em que o tive a meus pés. Fiquem bem e em segurança! 

IMG_20170805_095635.jpg

 

29.03.20

Preguiçar


Isa Nascimento

Sair de fugida para comprar pão, tomar o pequeno-almoço e ficar simplesmente a preguiçar em casa.

Tenho de confessar que estou a desfrutar deste domingo que me permitiu fazê-lo, pois já não me recordo da última vez que tive a mesma oportunidade.

Aproveitemos para fruir do dolce far niente, apesar das circunstâncias, conforme nos ensina a natureza. 

20200314_092015.jpg

 

27.03.20

Through my eyes


Isa Nascimento

It’s a beautiful day

Sun shines through the trees

People talk on the streets

Birds sing on the green branches

While the blossoming flowers

Spread their colours and perfumes

Nursing passionate hearts

And new lovers

 

It’s a beautiful day

Full of opportunities

To live and laugh about

To run or sit still

To cherish and be thankful

To fill our hearts with gratitude

Welcoming life as it is

For it is as it is supposed to be

 

Julho de 2018

20200220_142509.jpg

 

 

21.03.20

Dia Mundial da Poesia | 21 de março


Isa Nascimento

O que é poesia afinal?

Esse entrelaçado assustadoramente enleado de palavras, tantas vezes ininteligível e indecifrável.

Palavras que ocultam sentimentos e revelam a alma atormentada do poeta.

Que deixam de ser dele por apropriação do leitor, que as torna suas quando lhes dá outro sentido. Um sentido resultante das emoções que as palavras despertam a cada nova leitura e a cada novo leitor.

Por isso, um poema é uma multiplicidade de textos num só. Tantos textos quantas as interpretações que dele forem feitas.

Pessoa.jpg

Ilustração de RBR. Todos os direitos reservados.

Pág. 1/3