Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um pássaro sem poiso

Palavras soltas, livres, voando por aí

Um pássaro sem poiso

Palavras soltas, livres, voando por aí

14.02.20

Amor à primeira vista | coletâneas Chiado Books


Isa Nascimento

Olá meu amor,

Hoje a saudade bateu com força à minha porta.

Ter de estar longe de ti não fazia parte dos meus planos, mas talvez tenha reavivado o que sinto, e sempre senti, por ti. Esta noite sonhei contigo e acordei a pensar nisso, a recordar o dia em que nos conhecemos. Éramos tão jovens, mas percebemos logo que estávamos destinados um ao outro. Nada, jamais, nos apartaria.

Dizem que não existe amor à primeira vista. Pois estão enganados, coitados. Poucos têm a sorte de saber que existe. Que, mesmo depois de passar a paixão, cá fica esse amor todos os dias, para sempre, como naquele primeiro dia em que nos olhámos e sentimos bem cá no fundo “quero ficar contigo, meu amor, o resto da minha vida”.

Le coup de feu, como dizem os franceses. E como estão certos. Um fogo intenso nasce de repente, propagando-se por todas as partes do nosso corpo de forma tão avassaladora que não há maior certeza. O maior desejo, o mais profundo amor, a paixão de querer alguém.

Sou uma dessas raras pessoas sortudas, pois tive o privilégio de me apaixonar por ti no primeiro momento em que ti vi, naquele dia em que os meus olhos se cruzaram com os teus, viram a tua luz e se renderam a ela.

Quis o destino, quisemos nós, que esse amor não nos fugisse. Que nos acompanhasse ao longo dos bons e maus momentos da vida. Que se visse em cada cabelo branco que nos diz que o tempo passou.

Em breve regressarei para junto de ti, pois de outra forma a vida não tem sentido. Porque quero envelhecer contigo, meu amor, continuar a rir e a chorar a teu lado, “até que a morte nos separe”.

Sei que não precisava de to dizer, que percebes na minha voz e no que não te digo quando falamos ao telefone, mas há muito que não te escrevia, e nada melhor do que o poder de uma carta de amor para avivar a chama da paixão (sei-o bem, pois ainda guardo todas as cartas que me enviaste enquanto namorámos).

Por isso te escrevo hoje, para te dizer que me deito e acordo contigo todos os dias e que serei para sempre tua.

Com amor,

Vera

 

Autor: Isa Nascimento

Texto incluído em:

III Volume da "Colectânea de Cartas de Amor: Três Quartos de Um Amor", Chiado Books. Fevereiro de 2020

unnamed.jpg

 

9 comentários

Comentar publicação